Mamy Antenada: Síndrome do Ninho Vazio

Síndrome do Ninho Vazio

Bom dia Mamys...

Acho que estou sofrendo da Síndrome do Ninho Vazio...hehehe
Meu afilhadinho voltou pra casa! : (
Foi tão estranho chegar em casa ontem, apesar de meu marido estar de férias e eu ter compromissos "caseiros" com ele, senti falta de:
- colocar o Juliano pra fazer xixi de manhã cedinho;
- ligar 3 vezes pra casa pra saber o que estavam fazendo e se estava tudo bem;
- pensar na janta e lanchinhos entre as refeições (o café da manhã e almoço eram competência do Dindo);
- chegar em casa e além de ser recebida pelo Minduim e Dora (meus cachorrinhos) encontrar um gostosinho deitado no sofá assistindo Cartoon Network, abrindo aquele sorrizão quando eu abria a porta;
- programar a diversão da tarde;
- escutar: "Dinda, posso jogar Wii?", "Dinda, eu quero sucrilhos!", "Dinda, o Minduim tá só correndo atras do meu balão!", "Dinda, eu quero iogurte!", "Ai Dorinha, deixa eu te fazer um carinho!"...
- falar: "Quer comer alguma coisa Juliano?", "Vamos fazer xixi Juliano" (de tanto brincar tinhamos de lembra-lo de ir ao banheiro), "Vamos, Juliano, desliga a TV e vai pro banho!", "Vamos chutar bola lá no campinho?"
- colocar ele pra dormir e fazer "trouxinha" com as cobertas, pra ficar bem quentinho!  

Foi extremamente compensadora essas férias, digo a vocês que no começo fiquei cansada, mas depois entrei no ritmo e fui...na segunda feira estava com pique de começar uma nova semana...aí pensei: putz...ele não está mais aqui, snif... aí como estava com o gás todo resolvi arrumar o armário do maridão!!! hehehe!

Conclusão:
Ter uma criança em casa cansa? Cansa!
Dá trabalho? Dá!
Mas ao mesmo tempo te revigora com um sorriso, um abraço, ou com a simples serenidade ao dormir!

Bj Bj
Pri Aitelli



Definição de Sindrome do Ninho Vazio:
A chamada síndrome do ninho vazio é uma condição caracterizada pelo surgimento de um quadro depressivo por parte dos pais (afetando geralmente a mãe) após a saída dos filhos de casa, a partir do momento em que eles se tornam independentes, partindo para outra moradia. Debora Carvalho Meldau

Nenhum comentário:

Postar um comentário