Mamy Antenada: Inseminação Artificial x Fertilização in Vitro - Parte 1

Inseminação Artificial x Fertilização in Vitro - Parte 1

Olá Mamys!

Estava eu, Pri Aitelli (pois vocês sabem que esse blog aqui é escrito/teclado a 4 mãos, duas minhas e duas da minha amigona Tati Zick) aqui pensando em o que escrever pra vocês....
ha tanta coisa ainda a ser escrita...Mas é muito mais fácil e lógico escrever sobre situações vivenciadas, não é?!
Então, já que viemos (eu e meu marido) de uma semana que fechou um ciclo, aplicamos a ultima vacina de ILP Graças a Deus! (post sobre ILP) Nada melhor que falar sobre as etapas subsequentes! Já chamando as ótimas energias!!!
Semana passada desabafei com vocês a minha angustia de não ter chegado a vacina no tempo certo...ganhei apoio dos amigos e colo de mãe...
No final deu tudo certo essa semana...então fechamos aquele ciclo (que será devidamente lacrado com um novo teste Cross Match daqui a 3 semanas) e abrimos um novo...Rumo a Fertilização in Vitro!

Quando comento com as pessoas que faço tratamento para engravidar, falo de inseminação artificial e fertilização in vitro numa naturalidade, e as pessoas me olham com uma cara de ???, e me perguntam: "Qual a diferença de Inseminação Artificial e Fertilização in vitro?". E eu olho com uma cara de ??? pensando: "Como tu não sabes?", hehehe. 
Então eu explico com todo amor, carinho e fatos reais!
Vai ser de uma maneira bem ilustrativa e simples!
Vamos começar com a Inseminação Artificial!
Vamos lá!

INSEMINAÇÃO ARTIFICIAL
Na Teoria:
É o procedimento em que o esperma concentrado e processado é depositado diretamente na cavidade uterina, através de cateter. Mas para isso, a mulher deve possuir nenhuma disfunção de tubas uterina (canal que liga a cavidade uterina aos ovários).
Lembro que a mulher é estimulada a produzir óvulos por meio de medicamentos, orais e/ou injetáveis.
Na prática:
Fiz 4 IAs, na primeira tomei medicamentos orais  e injetável só para romper o Folículo (digamos: casinha do óvulo), nas outras 3 tomei todos os medicamentos injetáveis.
Os injetáveis são auto-aplicáveis, picadinha subcutânea na barriga, eu tinha sempre a ajuda do maridão que queria se envolver (e tinha coragem para aplicar- nem todos tem).
Lembro que os injetáveis que utilizei para estimulação foram Braveli (respondi bem) e Puregon (não respondi muito bem, desenvolveu apenas um folículo e acharam melhor eu fazer apenas um coito programado), doses diárias.
Aqui vale lembrar que você está injetando hormônios, normalmente produzidos pelo seu organismo para a produção de um folículo, em doses muito maiores! Significado: uma mulher mais sensível, chorona, carente ou com vontade de voar no pescoço de qualquer um! Santo marido para aguentar!
Essa indução de ovulação dura aproximadamente 10 dias, e o crescimento dos folículos são controlados por ultrassonografia (dia sim, dia não) transvaginal. De acordo com o crescimento o médico vai dosando a quantidade de medicamento a ser injetado. Os folículos devem chegar a aproximadamente 20 mm para que seja tomado o medicamento de ruptura (Tomei: Ovidrel, também injetável).
Geralmente é marcado o procedimento para 36h após o horário de aplicação do medicamento!
O tão sonhado dia chega!
O maridão deve estar no consultório (ou local em que vai ser feito o procedimento) 1 hora antes para a coleta do material (sêmen) para que ele possa ser preparado. A bióloga Martina, da Clinica Clius (Itajaí, onde fizemos 3 das nossas IAs) que preparava os nossos "bichinhos", nos chamou para olha-los antes do preparo e após o preparo. Coisa mais incrível desse mundo! Parecia que ela tinha dado RedBull pra eles, antes se mexiam normalmente, na boa; depois pareciam que tinha sido ligados na tomada de tão frenéticos que estavam! Melhor né...assim tinham mais energia para chegarem ao óvulo!
Quando chega a hora somos preparadas e colocadas naquela "cama" que fazemos exames ginecológico, é feita uma lavagem com soro morninho para a retirada do muco. O cateter é introduzido, sempre acompanhado pelo ultrassom, para ser colocado na posição correta (fundo do útero) para a liberação dos "meninos". O inconveniente: isso é realizado com a bexiga levemente cheia (fazer o que né?! nem tudo é perfeito, e nessas horas isso nem é tão problema assim!).
Depois de tudo isso feito, ficamos de 20 a 30 minutos deitada, em repouso. Aí vale papear com o marido...olhar pro teto, observar o que tem na bancada...
Somos liberados para ir pra casa e repousar! Meu médico recomendou namorar bastante depois da inseminação, não logo depois, mas no dia seguinte...foi o que fizemos e ainda fazemos!!!

Teoricamente a taxa de sucesso numa IA é de aproximadamente 20%, quando me falaram isso achei super baixa, mas então o médico me explicou que a taxa de uma mulher engravidar naturalmente é de aproximadamente 15%. Isso contando que a mulher esteja no seu ápice de fertilidade, que ocorre até seus 22 anos (mas ninguém pensa em engravidar nessa época né?!).
Das 4 IAs que fizemos tivemos sucesso em 2 (médico disse que essa taxa é ótima), mas infelizmente por outros problemas minhas gestações não evoluíram (perdi um com 8 semanas e outro com 4 semanas). Esse fato nos levou a pesquisar a incompatibilidade entre eu e meu marido, exame Cross Match e posteriormente a indicação da vacina ILP.



Mamys,
No site da Clinica Fecondare possui a lista de pessoas "candidatas" a esse procedimento.
Ha mais informações sobre esse procedimento nos sites: Gravida Feliz e Conception.

O próximo post é sobre Fertilização in Vitro!

Bj Bj
Pri Aitelli

Nenhum comentário:

Postar um comentário