Mamy Antenada

25 de Maio - Dia Nacional da Adoção!

Hoje seria um dia para comemorar, pois enfim meu milagre chegou nesse ano!
Me tornei mãe, e foi através da adoção!
Mas hoje, no Dia Nacional da Adoção, meu coração ainda aperta!
Aperta em pensar que várias crianças estão abrigadas e o que emperra as adoções não é o perfil restrito dos pretendentes, como a maioria das reportagens gostam de afirmar, mas sim o descomprometimento dos profissionais da área - Magistrados das Varas de Infância e Técnicos (Assistentes Sociais e Psicólogos). Profissionais que deveriam serem os primeiros a lutar pelas crianças, sujeitos de direito, mas que muitas vezes as tratam apenas como mais um processo...


Nesse dia o meu clamor é pela Humanização da Adoção!!
Assim como lutamos pela humanização do parto, devemos lutar pela humanização do parto do coração!
Profissionais comprometidos com as crianças e com as famílias pretendentes.
Pretendentes bem informados, sabendo de seus direitos.
Informação correta e unificada saindo das Varas de Infância e Juventude e agilidade nos processos.

Esse é o meu clamor... quem sai ganhando... as crianças!!

Um Feliz Dia da Adoção!!

O Primeiro Boletim do Filho a gente nunca esquece!!

Olá Pessoal!!

E passamos pela sensação de pegar o primeiro Boletim do filhote nessa semana, foi na quarta feira. Foi do papai a incumbência de realizar essa tarefa. E recebemos o resultado de um trabalho coletivo Família e Escola. Resultado: Marcos com notas ótimas (ao meu ver!).



Marcos tem 11 anos, cursa o 4° Ano do Ensino Fundamental, está com 2 anos de defasagem escolar. Enquanto esteve na Casa Lar foi diagnosticado com Dislexia e Hiperatividade, este último descartado pelo Psiquiatra que consultamos. É até "normal" ser arredio e hiperativo no meio em que vivia, lutava para sobreviver no meio do caos e instabilidade emocional.
Quando chegou, ele não lia, apenas "grunhia" algumas palavras. Ele tem dificuldade nas silabas complexas como: TRA, PRA, NHA, LHA, muitas vezes espelha as sílabas, por exemplo, ao invés de SA, lê ou escreve AS. 
Quando uma criança é pouco estimulada seu vocabulário se torna restrito, dificultando o conhecimento. Quando Marcos se depara com palavras compridas ele lê silabicamente, sílaba por silaba, e muitas vezes quando chega na ultima, já esqueceu da primeira, e na hora de juntar todas falta uma ou outra. Então repito a palavra e faço com que ele repita também, sempre perguntando se ele sabe o significado daquela palavra.
Além de todo o trabalho em casa, meu e do marido, temos a colaboração da Pedagoga Bianca, minha vizinha linda, que dois dias da semana faz atividades específicas com o Marcos (e eu fico com os mimos dos filhos dela!); e da Fonoaudióloga Francine, que uma vez por semana faz atividades especificas também.
Se não bastasse tudo isso, temos um grande e importante aliado, O COLÉGIO! Foi um parto durante a procura pelo "colégio ideal", eu e o Silvio fomos em vários, e encontramos nesse a extensão de nossa casa. Colégio pequeno, valores familiares. Nós nos sentimos a vontade na primeira conversa com a Diretora, explicamos a situação e vida dele e também dissemos que não gostaríamos que ele fosse tratado de forma diferenciada pela vivencia dele, mas que sua história fosse acolhida. E foi assim que fizeram, são amorosos e incentivadores, mas quando ha indisciplina somos imediatamente chamados (fomos 2 vezes nos primeiros 15 dias, depois nunca mais) ou se o "crime" for leve, vem escrito na agenda!
Estamos muito felizes com o efetivo desenvolvimento do Marcos - e claro, o mérito maior é dele - Parabéns Filhote!!



(lá no snapchat conto mais do nosso dia a dia... vai lá... mamyantenada)

Não tenho o direito...


Não tenho o direito de estar cansada!
Por ter desejado tanto esse filho;
Por ele ter 11 anos e "se virar" bem em algumas coisas.

Não tenho o direito de desejar voltar a trabalhar!
Por achar que lá tenho menos "trabalho" do que aqui.

Não tenho direito de ter um tempinho pra mim!
Aquele momentinho para não fazer nada, ou fazer tudo que não tenho tempo.

Não tenho direito de ser mulher!
De fazer unhas, cabelo, depilação, comprar roupa sexy, tomar vinho com o marido. E o sexo? Ah, o que é isso? Sempre escondido, sussurrado, sob tensão (e não tesão) pois a qualquer minuto pode ser interrompido com um "manhêêê"!

Não tenho direito de ter preguiça!
De ir dormir tarde, e de acordar tarde.

Não tenho o direito de comer besteiras!
E também não tenho direito a comer a hora que quiser. Agora sou exemplo, horários certos para o café, almoço, janta e lanches.

Não tenho o direito de estar aqui sentada, falando com vocês!
Pois a pia está cheia de louça, a cama está desarrumada, o puf de roupa suja está lá transbordando.

Tudo isso pode ser coisa da minha cabeça, não só minha, mas de muitas mulheres com filhos recém chegados ou não. Nos deparamos com a maternidade real, sim, podemos até ler sobre ela e sabermos que ela existe e é assim mesmo, mas até a hora de vivencia-la, ainda sonhamos com a maternidade idealizada e romantizada!

(p.s.: peça ajuda quando necessário, não fique sozinha, e se permita sentir tudo isso.)

Bj Bj