Mamy Antenada

Ensaio Fotográfico da Gestação do Coração - Renata e Luciano

Como é bom ver as famílias que serão formadas através da Adoção aproveitando a Gestação do Coração, registrando esse momento único! Porque siiiiim, nós podemos!!

Esse é o registro fotográfico da gestação do coração do casal: Renata e Luciano!
E as palavras da futura mamãe sobre esse momento:

"Desde o início do namoro, há 11 anos, Luciano e eu já sabíamos que não poderíamos gerar biologicamente nossos filhos, mas isso nunca diminuiu a vontade de ficarmos juntos para sempre. Somos casados desde 2009, mas foi no final de 2013 que o desejo de sermos papais veio com força total! Fizemos o último exame que faltava pra comprovar mesmo o que já sabíamos desde o início do namoro. Foi então que decidimos de todo coração, que iríamos adotar nosso(a) filho(a) ou nossos filhos! Estamos na espera, grávidos do coração, desde 21 de março de 2014, quando fomos habilitados no Cadastro Nacional de Adoção. E como em qualquer gravidez, quisemos registrar essa espera, que é difícil por ser tão longa e sem prazo definido, mas que, pelo mesmo fato de ser longa, faz com que o amor que já existe aumente mais e mais, até que chegará um momento que não caberá em nós tanto amor guardado, então Deus, em sua infinita misericórdia, nos abençoará e fará com que nosso encontro se realize!"
















Renata e Luciano, desejo pra vocês uma gestação abençoada!! Logo logo as crianças chegarão para aproveitar todo esse amor que vemos nos olhos de vocês, e claro, fazer muita bagunça com os "manos" caninos!!

Um grande beijo no coração!!

Adoção - Não tive direito a Licença Maternidade!

Desde que entramos com os papeis da habilitação para adoção comecei a pesquisar sobre a Licença Maternidade para as Mamães que adotam. Fui até à Gerencia de Pessoas da minha Instituição pedir informação, para quem não sabe, sou bióloga e funcionária pública do meu estado (Santa Catarina).
Na época fui informada que teria direito à 180 dias de licença maternidade, mesmo direito reservado às mães biológicas. Ainda lembro de ter perguntado se tinha alguma diferença de tempo, pois antigamente, era a idade do adotado que determinava a quantidade de dias da Licença Maternidade. Saí de lá feliz porque tinha a certeza que teria meu direito garantido.

Talvez eu não tivesse me expressado bem, dizendo que nosso perfil não era de bebê, me deparei com essa bomba quando fui levar os papeis para solicitar a Licença Maternidade, eu só teria esse direito se meu filho tivesse menos de 6 anos. Saí de lá arrasada, mas como tinha uma carta na manga, minhas Licenças Prêmios, solicitei pois não tinha tempo de ficar questionando o que estava determinado no Estatuto do Servidor Público Estadual, precisava dar assistência para o meu filho. Mesmo assim me sentia inquieta e injustiçada, então comecei a pesquisar a respeito do assunto, encontrando grandes evoluções nos direitos às famílias adoantes.



Separei algumas informações que acho interessante compartilhar com vocês:

Em março de 2016 o STF (Supremo Tribunal Federal), decidiu que servidoras públicas federais terão o direito a 120 dias, prorrogáveis mais 60, de licença maternidade em caso de adoção. A corte do STF julgou o processo de uma servidora que não conseguiu obter a licença maternidade de 180 dias após adotar uma criança de menos de 1 ano de idade. O ministro do STF Luís Roberto Barroso entendeu que não pode haver na licença maternidade entre a mãe adotante e a gestante biológica.
Vale ressaltar a fala do Ministro: "Se quanto maior é a idade, maior é a dificuldade de adaptação da criança à nova família, e se o fator mais determinante da adaptação é a disponibilidade de tempo dos pais para a criança, não é possível conferir uma licença-maternidade menor para o caso de adoção de crianças mais velhas.".
A ministra Rosa Weber, defendeu e votou para igualar as regras de licença-maternidade e licença-adotante, por entender que negar o direito aos prazos iguais significa discriminar a criança adotada, e disse: "Ao Estado, enquanto comunidade, interessa a formação de um ser humano saudável, e, nisto, é insubstituível o papel da mãe, especialmente nos primeiros meses, seja um filho natural ou não".

Para as adotantes que trabalham com carteira assinada, autônomas, domésticas e donas de casa que contribuem com o INSS (Instituto Nacional de Segurança Social), regidas pela CLT (Consolidação das Leis Trabalhistas) atualmente lhes são garantidos 120 dias de Licença Maternidade, independentemente da idade do adotado. Antigamente essa quantidade de dias eram para mães que adotassem criança até 1 ano de idade. Para crianças entre 1 e 4 anos, 60 dias; entre 4 e 8 anos, 30 dias; e maiores de 8 anos não davam direito de afastamento pelo INSS, o que foi revogado pela Lei 12.010/2009.

Com base em todas essas Leis vigentes e decisões já existente vou atras do meu direito à Licença Maternidade. Sim, eu estou em casa com meu filho, estabelecendo vínculos afetivos, dando a assistência emocional que ele precisa, ajudando no suporte educacional que necessita, mas graças as Licenças Prêmios que guardei durante os meus anos de serviço. 
Vou atras dos nossos direitos (meu de da minha família), pois o estado não pode estabelecer esse tratamento diferenciado no que se refere a licença maternidade através da adoção, é um ato injustificado, ilegitimo e discriminatório. 
Vária

Beijos para todos e nos desejem sorte nessa empreitada!


Constituição Federal
Lei 12.010/2009
Lei 5452/43
agencia brasil


25 de Maio - Dia Nacional da Adoção!

Hoje seria um dia para comemorar, pois enfim meu milagre chegou nesse ano!
Me tornei mãe, e foi através da adoção!
Mas hoje, no Dia Nacional da Adoção, meu coração ainda aperta!
Aperta em pensar que várias crianças estão abrigadas e o que emperra as adoções não é o perfil restrito dos pretendentes, como a maioria das reportagens gostam de afirmar, mas sim o descomprometimento dos profissionais da área - Magistrados das Varas de Infância e Técnicos (Assistentes Sociais e Psicólogos). Profissionais que deveriam serem os primeiros a lutar pelas crianças, sujeitos de direito, mas que muitas vezes as tratam apenas como mais um processo...


Nesse dia o meu clamor é pela Humanização da Adoção!!
Assim como lutamos pela humanização do parto, devemos lutar pela humanização do parto do coração!
Profissionais comprometidos com as crianças e com as famílias pretendentes.
Pretendentes bem informados, sabendo de seus direitos.
Informação correta e unificada saindo das Varas de Infância e Juventude e agilidade nos processos.

Esse é o meu clamor... quem sai ganhando... as crianças!!

Um Feliz Dia da Adoção!!